Audiência pública discute crise na Mirabela

Audiência pública reuniu lideranças políticas da região (Fotos:Giro em Ipiaú)
Acontece na manhã desta segunda-feira (07) na Câmara Municipal de Ipiaú, uma audiência pública que discute a crise e as soluções para Mirabela Mineração, empresa sediada no município de Itagibá. O evento organizado pela comissão de Indústria e Comércio da Câmara de Ipiaú, contou com a participação dos prefeitos; Deraldino Araújo (Ipiaú), Marcos Barreto (Itagibá) Vera Franco (Barra do Rocha) e Marcos Aurélio (Ibirataia), além dos deputados Eduardo Salles (PP), Davidson Magalhães (PC do B), Bebeto Galvão (PSB) e Fabíola Mansur (PSB). Vereadores dos municípios de Ipiaú, Itagibá e Ibirataia também estiveram presentes na audiência.
Evento aconteceu na Câmara Municipal de Ipiaú.
O evento ainda contou com as participações do presidente do Sindicato Metabase, Gilmar Santos, de lojistas de Ipiaú, funcionários da Mirabela e representantes de várias entidades, a exemplo da CDL, Maçonaria, OAB e outros. Quem esteve presente na audiência pública saiu com um alto nível de esperança na continuidade da operação da mineradora. O prefeito de Itagibá, Marquinhos e os deputados Eduardo Salles, Davidson Magalhães e Bebeto Galvão garantiram durante os seus discursos que o acordo entre a Mirabela e o governo do estado está praticamente fechado e que a mineradora deve continuar operando na extração do níquel sulfetado. A ausência sentida foi de um dos representantes da empresa. De acordo com os organizadores, a diretoria da mina encontra-se em Salvador se reunindo com o governo nesta segunda-feira.
Dezenas de pessoas acompanharam a audiência na Câmara Municipal.
Com o preço do níquel em baixa no mercado internacional a empresa experimenta a crise mais aguda desde a implantação da sua unidade no município de Itagibá. Diante das dificuldades a mineradora tem buscado alternativas para manter a produção. Uma delas, foi de pleitear junto ao Governo da Bahia a liberação de parte dos créditos de ICMS, o que pode dar um fôlego a empresa até que o preço do níquel se recupere, como vem acontecendo nas últimas semanas. Também é discutido a adesão da empresa ao programa “Desenvolve Bahia”, o que permitirá obter créditos necessários ao desempenho da empresa sem  afetar sua produção, e descontos na taxa portuária.
Trabalhadores da Mirabela também  participaram da audiência pública.
No último dia 18 de fevereiro a Mirabela comunicou aos funcionários que a empresa irá encerrar as atividades e anunciou a demissão dos cerca de 470 trabalhadores diretos. Desde então, vários políticos e entidades se mobilizaram pela causa e intermediaram um possível socorro do governo do estado diante da situação vivida pela mineradora.  (Giro/José Américo Castro).