Ipiaú completa 84 anos de emancipação política

 
Neste sábado, dia 2 de dezembro, o município de Ipiaú completa 84 anos de emancipação política. Para comemorar a data a Prefeitura Municipal elaborou uma programação que tem inicio às 19 horas com a celebração de uma missa campal em ação de graças, seguida das apresentações do Coral Municipal, Grupo de Metais e Percussão do NEOJIBA (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia) e Banda Cupim de Ferro. Na oportunidade a prefeita Maria das Graças estará inaugurando a decoração natalina da Praça Rui Barbosa, local  onde se concentram todas as atividades programadas. A festa prossegue no domingo, 3, com a realização da grande final do Campeonato Baiano de Fanfarras.
O município de Ipiaú, pertence à Microrregião Homogênea 154 – Cacaueira – segundo divisão adotada pelo IBGE, compreendendo uma área de 267 km², equivalente a 0,05% da área total do Estado. A sua atual população está estimada em 47.704 habitantes. Sua economia está fundamentada na agropecuária, com mais ênfase para a cacauicultura.O marco inicial da colonização do Município de Ipiaú aconteceu na segunda década do século passado, aproximadamente no ano de 1913 quando chegaram os primeiros desbravadores, dentre os quais Elias Midlej, José Maron, José Miraglia e Domingos Castro. Antes a região era habitada pelos índios Tapuias.
 O lugarejo foi chamado de Rapa-tição e, segundo alguns, a origem desse termo deveu-se uma briga entre duas mulheres que se serviam de lenha em brasa como arma, enquanto outros explicam que tal nome era corruptela da palavra “Repartição”, pois que no arraial funcionava um posto de arrecadação de tributos fiscais, instalado em 1916 pela Intendência de Camamu.

                                             Historia Oficial
A 1º de agosto de 1916, Rapatição passou à categoria de distrito, com o nome de Alfredo Martins, pertencente ao município de Camamu . Em 1930 foi elevado a subprefeitura, com o nome de Rio Novo e em 1931 foi desmembrado de Camamu e anexado ao município de Jequié. Finalmente, por força da Lei Estadual nº 8.725 de 02 de dezembro de 1933, assinado pelo então Governador Juracy Magalhães, foi criado o município de Rio Novo, cuja denominação se explica devido às modificações no leito do Rio Água Branca, afluente do Rio das Contas, que banha a localidade. Mais tarde, exatamente em 31 de dezembro de 1943, uma reformulação administrativa impôs a mudança do nome de Rio Novo, ao proibir a existência, no Brasil, de duas local. Quando foi emancipado em 1933, Rio Novo (Ipiaú) passou a ser constituído pelos distritos de Barra do Rocha, Tesouras (Ibirataia) e Dois Irmãos (Ubatã), desmembrados respectivamente em 1961, 1952 e 1961.
                                             PREFEITOS
Ao longo da sua historia oficial o município foi administrado pelos seguintes prefeitos: Antonio Augusto Sá (1933-1935), Leonel Andrade (1936-1940), Jaime Pontes Tanajura (1940-1943), Agostinho Cardoso Pinheiro (1943-1945), Antonio Lisboa Nogueira (1945-1946), José Borges de Barros (1946-1946), Sandoval Fernandes Alcântara (1946-1949), José Borges de Barros (1949-1950), Pedro Caetano Magalhães de Jesus (1950-1951),José Muniz Ferreira (1951-1955),Salvador da Matta (1955-1959), José Mota Fernandes (1959-1963), Euclides Texeira Neto (1963-1967), José Mota Fernandes (1967-1971), Salvador da Matta (1971-1973), Hildebrando Nunes Rezende (1973-1977), José Borges de Barros Junior (1977-1982), Hildebrando Nunes Rezende (1983-1988), Miguel Cunha Coutinho (1989-1992), Ubirajara Souza Costa (1993-1996), José Mota Fernandes (1997-2000), José Andrade Mendonça(2001-2008), Sandra da Purificação Lemos de Santana (2008), Deraldino Alves de Araujo (2009-2016). O mandato da atual prefeita Maria das Graças Mendonça se estende até o ano de 2020.
Alguns desses prefeitos, a exemplo de José Mendonça, Hildebrando Nunes Rezende, José Motta Fernandes e Salvador da Matta (foto), também foram vereadores na Câmara Municipal de Ipiaú que atualmente é presidida por José Carlos Bispo dos Santos (Carlinhos)-PP-.